O conteúdo desta página foi copiado (sem permissão, mas para uma boa causa) do livro Curso Prático de Gramática, Ernani Moura, Editora Scipione, 5a. Edição, pp. 262-265, ISBN 85-262-0582-X.

Introdução

A palavra crase provêm do grego krasis e significa fusão, junção. Em Português, ocorre a crase de duas vogais idênticas (a + a = à) . Tal fusão é indicada através do acento grave.

Pode ocorrer a fusão da preposição a com:

a) o artigo feminino a ou as:

Fui a a feira. Retornamos a as praias.

Fui à feira. Retornamos às praias.

b) o a dos pronomes aquele(s), aquela(s), aquilo:

Fui a aquele lugar.

Fui àquele lugar.

c) o a do pronome relativo a qual e flexão (as quais):

A cidade a a qual nos referimos fica longe.

A cidade à qual nos referimos fica longe.

d) o pronome demonstrativo a ou as (= aquela, aquelas):

Esta caneta é semelhante a a que me deste.

Esta caneta é semelhante à que me deste.

Crase da preposição a com o artigo a(as)

Regra geral: haverá crase sempre que o termo anterior exigir a preposição a e o termo posterior admitir o artigo a ou as.

Eu me referi a (prep.) a (art.) diretora.

Eu me referi à diretora.

Fui a (prep.) a (art.) cidade.

Fui à cidade.

É fácil constatar nesses casos que houve crase. Se, ao trocarmos o termo posterior por um masculino correspondente, obtivermos ao, podemos perceber claramente a presença do artigo e, portanto, da crase antes dos termos femininos.

Eu me referi ao diretor.

Fui ao bairro.

Veja que, para que ocorra crase, é necessário que o termo anterior exija preposição a e o termo posterior admita o artigo a. Se um desses fatos não ocorrer, evidentemente não ocorrerá crase.

Eu conheço a diretora.

Eu me refiro a ela.

Trocando pelo masculino:

Eu conheço o diretor.

Eu me refiro a ele.

Crase diante de nomes de lugar

Com os nomes femininos que designam lugar pode ou não haver crase, uma vez que certos nomes de lugar aceitam o artigo a, ao passo que outros o repelem.

Para se verificar se um nome de lugar aceita ou não o artigo a, usa-se o seguinte artifício: se, ao formularmos uma frase com um nome de lugar mais o verbo vir, obtivermos a combinação da, cabe o artigo. Se obtivermos simplesmente a preposição de, claro está que não cabe o artigo.

Vou à Itália. (Venho da Itália).

Vou à Argentina. (Venho da Argentina).

Vou a Roma. (Venho de Roma).

Vou a Curitiba. (Venho de Curitiba).

Observação:

Se o nome de lugar que repele o artigo vier determinado, passará a aceitá-lo e, conseqüentemente, haverá crase.

Vou à Roma antiga.

Vou à velha Curitiba.

Crase com as palavras casa e terra

Não ocorre crase diante das palavras casa (no sentido de lar, moradia) e terra (no sentido de chão firme), a menos que venham especificadas.

Voltamos cedo a casa.

Os marinheiros desceram a terra.

Mas,

Voltamos cedo à casa dos amigos.

Os marinheiros desceram à terra dos anões.

Crase com os pronomes demonstrativos aquele(s), aquela(s), aquilo

Haverá crase com os pronomes demonstrativos aquele(s), aquela(s), aquilo sempre que o termo antecedente exigir a preposição a.

Assisti àquele filme.

Aspiro àquela vaga.

Prefiro isto àquilo.

Crase com os pronomes relativos

1. Poderá ocorrer crase com o pronome relativo a qual e flexão (as quais).

A cidade à qual iremos possui praias às quais chegaremos.

Observação:

É fácil constatar a crase neste caso, utilizando-se o artifício de trocar os termos femininos por termos masculinos correlatos.

O país ao qual iremos possui recantos aos quais chegaremos.

2. Nunca ocorre crase diante dos pronomes relativos quem e cuja.

Esta é a mulher a quem obedeço.

Este é o autor a cuja obra me refiro.

Crase diante do pronome relativo que

Diante do pronome relativo que normalmente não há crase, uma vez que esse pronome repele o artigo.

Esta é a faculdade a que aspiro.

Esta é a cidade a que iremos.

Ocorrerá, no entanto, crase antes do pronome relativo que quando antes dele aparecer o pronome demonstrativo a ou as (= aquela, aquelas).

Sua caneta era igual à que comprei.

Em caso de dúvida, pode-se verificar se ocorre ou não crase pelo recurso da substituição dos termos femininos por masculinos.

Este é o curso a que aspiro.

Este é o bairro a que iremos.

Mas,

Seu lápis era igual ao que comprei.

Nunca ocorre crase:

1. diante de palavras masculinas:

Fiz referência a filmes antigos.

2. diante de verbos:

Estou disposto a estudar.

3. nas expressões formadas por palavras repetidas:

Ficamos frente a frente.

4. diante de pronomes que repelem o artigo:

Dirijo-me a Vossa Excelência.

Fiz alusão a ela.

Isto não interessa a ninguém.

Observação:

Evidentemente, se o pronome admitir artigo, haverá crase.

Dirijo-me à senhora.

Fiz alusão à mesma aluna.

Isto interessa à própria candidata.

5. quando um a (sem o s de plural) estiver diante de uma palavra no plural:

Refiro-me a alunas interessadas.

Falava a pessoas interessadas.

Sempre ocorre crase:

1. na indicação do número de horas, desde que, se trocando este número por meio-dia, obtenha-se ao meio-dia:

Chegou à uma hora em ponto. (Chegou ao meio-dia em ponto.)

Saí às quatro horas. (Saí ao meio-dia.)

Mas,

Estou aqui desde as sete horas. (Estou aqui desde o meio-dia.)

2. diante da palavra moda da expressão à moda de, mesmo que a palavra moda fique subentendida:

Fez um gol à Sócrates.

Possui um estilo à Eça de Queirós.

3. nas expressões adverbiais femininas:

Chegaram à noite.

Caminhavam às pressas.

Agia às escondidas.

Estava à disposição.

Sentaram-se à sombra.

Estou à procura de ajuda.

Observações:

Nas expressões adverbiais femininas, muitas vezes ocorre acento grave sem que haja crase (fusão).

Vendi à vista o relógio que ganhei.

Nas expressões adverbiais femininas de instrumento não se costuma usar acento grave.

Eles escreveram a máquina.

Saíram num barco a vela.

Pode ou não ocorrer crase (crase facultativa):

1. diante de nomes de pessoas do sexo feminino:

Ele fez referência a (à) Sandra.

2. diante de pronomes possessivos femininos:

Obedeço a (à) minha irmã.

3. depois da preposição até:

Fomos até a (à) feira.

Observações:

A crase diante de nomes de pessoas e de possessivos femininos é facultativa porque nesses casos o uso do artigo é facultativo.

Sandra chegou. (A Sandra chegou.)

Minha irmã saiu. (A minha irmã saiu.)

Depois de até a crase é facultativa porque se pode usar simplesmente a preposição até ou a locução prepositiva até a.

 
crase.txt · Modificado em: 20/11/2009 17:28
 
Recent changes RSS feed Creative Commons License Donate Powered by PHP Valid XHTML 1.0 Valid CSS Driven by DokuWiki